quarta-feira, 14 de dezembro de 2016

Um amor deixado para depois

Na distância que nos separa, apesar de me declarares eterna paixão, a todo o momento, me sinto secundário em tua vida! Parece que nunca sou o bastante para ti.

Agora, o amor possui asas da cor do chumbo e as lágrimas de tristeza e desapontamento tornaram-se minhas amigas de convívio. Morrendo de saudades tuas, acabei diariamente vivendo no olho do furacão.

Minhas asas há tempos estão enfraquecidas e é por esta causa que já não consigo mais voar acima das altas nuvens, com isto, este tem sido o mórbido significado da minha existência: de ser um anjo estrangeiro a voar baixo e se arriscar numa terra absolutamente desconhecida.

As minhas moedas de prata estão acabando e desta forma não vou conseguir mais comprar a tua atenção, até os poemas se me tornaram escassos, escapando pelos vãos dos meus dedos apolíneos.

A solidão me tem sido irônica e insana marcando minha alma com seu beijo frio de vampira. Os dias de um sol outonal consolador me aguardam, em uma Sibéria imaginada por um homem louco, que se apaixonou perdidamente pela enfermeira do hospício onde um dia ele viveu.

Eu só queria entender porque de uns anos para cá os meses resolveram passar tão rápidos; sem ti, envelheço na velocidade da luz, e hoje penso que a minha juventude não passou de uma quimera, criada por esta minha mente de irrecuperável bufão.

Posso até te parecer um homem deprimido que somente sabe se queixar, mas, sou apenas um ser sujeito às agruras do tempo, tentando vivenciar um amor dentro da fábula que eu próprio criei.

-ELTON SIPIÃO O ANJO DAS LETRAS


Revisão ortográfica e gramatical de Natanael Gomes de Alencar.

Um comentário:

Cristal de uma mulher disse...

Viver como embriagados de desejos bebendo do vinho dos deuses enfurecidos de força e prazeres por suas fêmeas....Embriagante querer.......